Advocacia, Consultoria e Assessoria Jurídica
Tributário, Empresarial, Civil e Trabalhista Patronal
ARTIGOS E NOTÍCIAS
OS MARMITEIROS DE BOMBAIM

PUBLICADO EM 21/09/2018

OS MARMITEIROS DE BOMBAIM  

 

                                                                José Carlos Buch

 

Grandes empresas e algumas das mais renomadas escolas de negócios elegeram um novo fenômeno de eficiência: os entregadores de refeições da Índia.

 

Em Bombaim, a maior metrópole da Índia, um grupo de 5.000 homens,  com uniforme e chapéu branco executa todos os dias um serviço de entrega sem igual no mundo. No início da manhã, os dabbawalas (“carregadores de marmitas”, em hindi),  retiram cerca de 200.000 refeições prontas da casa de seus clientes. O destino são milhares de escritórios localizados na área comercial, no lado oposto da cidade. Há um preciso limite de tempo para que o trabalho dos dabbawalas seja finalizado – o horário do almoço desses 200.000 trabalhadores indianos.

 

Durante a coleta nos bairros residenciais, os dabbawalas se valem de bicicletas, carrinhos de mão ou caixas de madeira que comportam até 60 marmitas. Das casas, seguem para as estações de trem, onde outros integrantes dessa rede logística organizam sua distribuição de acordo com o destino das refeições. No desembarque, na área comercial da cidade, um novo grupo se encarrega de entregar em mãos o almoço caseiro nos escritórios. Uma hora depois começa a jornada reversa, e todas as marmitas são devolvidas a seus locais de origem.

 

O lema dos dabbawalas é “Levar comida a alguém é o mesmo que servir a Deus”. E eles realmente encaram com seriedade a missão. Apesar da quantidade de encomendas, da precariedade dos recursos empregados e da confusão de trânsito nas ruas de Bombaim, o serviço tem índice de falhas próximo de zero. Num artigo recente, a revista inglesa The Economist estimou que ocorre um erro a cada 16 milhões de entregas dos dabbawalas. A americana Forbes classificou seu sistema logístico como um dos mais engenhosos do mundo.

 

Nos últimos anos, por causa dessa impressionante taxa de eficiência, o trabalho dos marmiteiros de Bombaim passou a ser estudado por grandes empresas e escolas de negócios do Ocidente. O reconhecimento da competência em logística faz hoje com que os dabbawalas dividam seu tempo entre as entregas de marmitas e as palestras. Nesses eventos, eles apresentam os fundamentos de seu sistema a plateias formadas por empresas como Coca-Cola, Siemens e Daimler-Benz e dão aulas a alunos de universidades como Harvard, Michigan e Stanford. “Por ano, realizamos uma média de dez palestras – até no exterior”, afirmou a EXAME Manish Tripathi, presidente da Fundação Dabbawala, parte da cooperativa que reúne os marmiteiros de Bombaim.

 

Esses trabalhadores são uma espécie de síntese do atraso do capitalismo do país. E é exatamente por isso que eles se tornaram uma referência. A primeira lição que emerge com a análise de seus incríveis índices de eficiência é que tecnologia e capital são ótimos – mas a falta deles não significa a impossibilidade do sucesso. Com suas bicicletas e o suporte do sistema de transporte público, os dabbawalas mantêm as entregas de marmitas em dia. Como se fosse o bastão de uma corrida de revezamento, as refeições trocam de mãos até quatro vezes durante o percurso (as entregas são realizadas num raio de até 70 quilômetros). O destino de cada uma das marmitas é identificado por um código composto de cores e letras, simples o suficiente para ser compreendido por uma maioria semianalfabeta de entregadores. Cerca de 85% deles não concluíram o ensino fundamental. Em troca do serviço, os dabbawalas ganham, em média, 120 dólares por mês, rendimento considerado razoável no país para pessoas com baixa escolaridade. –  “Somos como um Fedex, só que entregamos comida quente” –, disse o dabbawala Dhondu Kondaji Chowdhury, numa reportagem publicada recentemente pelo jornal The New York Times.

 

De forma intuitiva, a organização dos dabbawalas segue os mais modernos manuais de administração. Os entregadores têm autonomia para realizar seu trabalho – os problemas são resolvidos sem a consulta a chefes ou superiores – e há apenas três níveis na hierarquia da cooperativa. Há os entregadores; os coordenadores, que cuidam da distribuição das encomendas nos trens; e o pessoal do apoio administrativo, que fica no escritório. Todos recebem o mesmo salário e são bonificados quando a cooperativa conquista novos clientes. –  “Nunca houve uma greve sequer na história do serviço” –, afirma Tripathi, da Fundação Dabbawala. Tripathi esteve recentemente em Dubai, nos Emirados Árabes, para dar lições de motivação inspiradas nos marmiteiros a uma platéia de 1.000 executivos. –  “Os dabbawalas têm orgulho de manter a alta taxa de eficiência do serviço e se preocupam com a qualidade do trabalho. Na prática, é como se todos fossem sócios da empresa” –, diz.

 

Além de símbolos de eficiência logística, os dabbawalas viraram nos últimos tempos,  ícones de “empreendedorismo social”. Num país com altas taxas de pobreza, como é a Índia, a operação consegue oferecer serviço e remuneração digna a pessoas que não teriam muitas oportunidades no mercado de trabalho,  devido à baixa qualificação. A cooperativa mantém uma reserva de caixa para socorrer associados em dificuldades financeiras. –  “Os dabbawalas são peritos na separação e na distribuição das latas, trabalhando como elos de uma corrente, passando as marmitas entre si, em diversos estágios” –, escreveu Richard Donkin, articulista do jornal Financial Times, no livro “Sangue, Suor & Lágrimas”, que tem um capítulo dedicado à história dos marmiteiros indianos. Figuras típicas na paisagem de Bombaim, os dabbawalas viraram personagens de obras de literatura. No livro Versos Satânicos, de Salman Rushdie, por exemplo, um dos principais personagens trabalha como dabbawala antes de se tornar um astro de cinema.

 

Numa época em que encomendas do Amazon estão sendo entregues por drones,  os  dabbawalas desafiam o tempo com um sistema de distribuição que não requer nenhuma tecnologia, pois é puramente manual e tradicional e, até hoje.  não foi modificado desde sua criação, no fim do século 19. Incrível não é mesmo?

 

 

                                                        advogado tributário

                                                        www.buchadvocacia.com.br

                                                        buch@buchadvocacia.com.br

LEIA OUTROS ARTIGOS E NOTÍCIAS PUBLICADAS
A HISTÓRIA DO VINHO E DO PANETONE
12/12/2018  |   LEIA MAIS
RETRATAÇÃO(artigo Carteirada)
06/12/2018  |   LEIA MAIS
LUA A PINO EM PLENO DIA DE VERÃO
04/12/2018  |   LEIA MAIS
CARTEIRADA
30/11/2018  |   LEIA MAIS
A FRUTA SEM CAROÇO
08/11/2018  |   LEIA MAIS
A PRESTAÇÃO DE CONTAS DE GRACILIANO RAMOS (Parte I)
01/11/2018  |   LEIA MAIS
A PRESTAÇÃO DE CONTAS DE GRACILIANO RAMOS (Parte II)
01/11/2018  |   LEIA MAIS
A ORIGEM DA GRAVATA
17/10/2018  |   LEIA MAIS
OAB DE CATANDUVA - UM POUCO DA HISTÓRIA
10/10/2018  |   LEIA MAIS
O HOMEM DA BANCA E OS FREQUENTADORES ASSÍDUOS
25/09/2018  |   LEIA MAIS
Copyright © José Carlos Buch Advogados Associados. Todos os direitos reservados.