Advocacia, Consultoria e Assessoria Jurídica
Tributário, Empresarial, Civil e Trabalhista Patronal
ARTIGOS E NOTÍCIAS
MÚSICAS CLÁSSICAS E SUAS HISTÓRIAS PARTE VI

PUBLICADO EM 18/03/2020

MÚSICAS CLÁSSICAS E SUAS HISTÓRIAS – PARTE VI

                           

                                                                  José Carlos Buh

 

 

Nos artigos anteriores foram contadas as histórias de dez músicas. Cada artigo trazia a história de uma música nacional e outra internacional. O artigo de hoje vai fugir dessa regra ao tentar descrever a trajetória de duas músicas brasileiras, uma considerada de dor de cotovelo  e outra bastante nostálgica, que nos remete a qualquer cidadezinha do interior onde existia uma estação de trem. GARÇOM –   é o maior sucesso da carreira do cantor brega Reginaldo Rossi. Lançada em 1987 e composta por ele, a música não provocou estrondo quando foi gravada. Mas no fim dos anos 90, principalmente no sul do país, virou fenômeno. Nos shows, Rossi conta uma história sobre a criação da música: –  “Eu era um cabra safado, vivia chifrando a minha mulher. Um dia, cheguei em casa e vi que ela estava com outro. Saí pro bar, pra beber e chorar, e o garçom pediu para que eu fizesse uma música”. Segundo Reginaldo, a simplicidade ajudou a compor a canção: “Garçom. Eu sei. “Estou enchendo o saco.  Mas todo bebum fica chato...”  Você entendeu, o presidente entendeu e o gari entendeu, enfatiza o cantor. E Acrescentou:  “Essa história de corno não foi eu quem criou, mas o povo adora. Preste atenção em 'Garçom', o homem chora porque o amor da vida dele vai casar, mas levaram para esse lado e aproveitei". O disco com a música “Garçom” vendeu,  à época, 2 milhões de cópias e tornou o cantor consagrado em todo o país.    Rossi colecionou muitas histórias ao longo da carreira de quase 50 anos. Ele contou uma delas no Espaço Pernambuco. –  “Uma vez, após um comício em Jaboatão dos Guararapes(Região Metropolitana do Recife), com 40 mil pessoas, eu saí em uma Kombi e pedi para ir devagar para cumprimentar os fãs. Quando a Kombi estava já andando a uns 20 quilômetros, vi um cara correndo, esbaforido e eu disse para a gente parar porque o esforço dele merecia atenção”, disse. “Quando abrimos a porta, ele disse: ‘Rossi, eu também sou veado’. Isso faz parte do show.”  Reginaldo Rossi, faleceu em Recife sua cidade natal,  em 20 de dezembro de 2012, de câncer no pulmão, aos 70 anos de idade. – O PORTÃO: Composta por Roberto e Erasmo a música figurou na terceira faixa do disco do cantor lançado em 1974, que tinha as canções “Despedida” e “Quero ver você de perto”,  respectivamente,   como primeira e segunda músicas do LP. À época,  alguns críticos não pouparam julgamentos pela expressão – “Eu cheguei em frente ao portão,  meu cachorro me sorriu latindo...”, porque entendiam que cachorro não sorri latindo, mas sim balançando o rabo. O fato é que a  música “O Portão”, na voz de Roberto Carlos, já vendeu cigarros Continental e assinaturas de tevê Sky. Na primeira vez, em 1976, o comercial tinha por protagonista o então jovem galã Herson Capri,  retornando ao lar, chegando na estação de trem e fumando um cigarrinho no percurso. Ele, na época, vivia o  personagem  na novela das 21 horas na TV Globo. O comercial é lindo e vale a pena acessar o Google para revê-lo.  No outro anúncio, veiculado em 2011, a sempre bela Gisele Bündchen se esmera em interpretar uma dona-de-casa esnobada por um marido que prefere o controle remoto em seu infinito potencial de canais, em vez de chamego. Ela fica até engraçadinha no papel, mas o anúncio não foi tão marcante como o de 1976.  Em 2014, o cantor que não come carne há mais de trina anos, protagonizou um comercial da Friboi e a música foi novamente usada para vender o produto da mesma marca. A verdade é que “O Portão” é uma música envolvente e marcante –  uma combinação de  letra(verdadeira poesia) e melodia de forma harmoniosa e de rara beleza –, pouco importando se o cachorro sorri latindo ou não.  Rever o comercial de 1976, ignorando o produto que busca vender(cigarros),  é reviver com nostalgia os tempos em que o trem transportava pessoas e a vida que transcorria tranquila nas pequenas cidade,  era de dar inveja.

Fonte:https://www.google.com/search?q=reginaldo+rossi+morre?sau&rlz=1C1GCEA_enBR862BR862&oq=reginaldo+rossi&aqs=chrome.0.69i59j69i57j0l6.7655j0j8&sourceid=chrome&ie=UTF-8; https://pt.wikipedia.org/wiki/Reginaldo_Rossi -

https://www.huffpostbrasil.com/marili-ribeiro/o-rei-do-portao-nos-comerciais-v-deos_b_4847855.html; 

(Este artigo é dedicado ao leitor José Valter Casseb(Dorelar), talvez o maior fã do país  da música “Garçom”).

 

                                                        www.buchadvocacia.com.br

                                                        buch@buchadvocacia.com.br

 

 

 

LEIA OUTROS ARTIGOS E NOTÍCIAS PUBLICADAS
MÚSICAS CLÁSSICAS E SUAS HISTÓRIAS PARTE VI
18/03/2020  |   LEIA MAIS
A HISTÓRIA DA CAMARGO CORRÊA
10/03/2020  |   LEIA MAIS
MÚSICAS CLÁSSICAS E SUAS HISTÓRIAS PARTE V
04/03/2020  |   LEIA MAIS
MÚSICAS CLÁSSICAS E SUAS HISTÓRIAS PARTE III
26/02/2020  |   LEIA MAIS
MÚSICAS CLÁSSICAS E SUAS HISTÓRIAS PARTE II
20/02/2020  |   LEIA MAIS
O QUE VOCÊ QUER SER PATO OU ÁGUIA?
29/01/2020  |   LEIA MAIS
FRASES QUE DIZEM MUITO - III
20/01/2020  |   LEIA MAIS
KI SUCO E BISCOITO ÁGUA E SAL
23/12/2019  |   LEIA MAIS
NÃO INCOMODE/NÃO ME LIGUE
12/12/2019  |   LEIA MAIS
ARROLAMENTO
09/12/2019  |   LEIA MAIS
Copyright © José Carlos Buch Advogados Associados. Todos os direitos reservados.